PF diz que Hugo Motta favorecia ou intimidava empresários a mando de Eduardo Cunha

08 AGO 2017
08 de Agosto de 2017



Muita gente foi pega de surpresa quando o jovem deputado paraibano Hugo Motta (PMDB) foi escolhido presidente da CPI da Petrobras, em 2015. O nome dele foi pinçado pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A surpresa foi apenas para quem não conhecia a relação aproximada dos dois. Relatório da Polícia Federal divulgado na edição desta segunda-feira (7) pelo jornal O Globo, mostra que o afinamento ia além da relação social. Motta é apontado como um dos integrantes da ‘tropa de choque’ escalada por Cunha para assinar emendas para medidas provisórias e requerimentos.

Na Câmara dos Deputados, de acordo com denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia um grupo escalado por Cunha para favorecer ou intimidar empresários. A prática ocorria por meio dos requerimentos ou convocações de empresários para depor em comissões. O resultado disso, na maioria dos casos, era a cobrança de propinas. Diálogo entre Cunha e outro ex-presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), mostra bem isso.  “Chegou! Valeu. Agradeça lá”, escreveu o Henrique Alves, também preso, em mensagem de 2012. “Claro, não tinha dúvidas. Aqui se atrasa, mas não falha”, responde Cunha.

De acordo com matéria de O Globo, em 2012, Cunha mandou mensagem Motta para atuar em nome dele. “Acredita-se que o ex-parlamentar (Cunha) utilizaria, supostamente, do deputado Hugo Motta, também do PMDB, para interceder na MP 561”, diz o relatório da PF. Na mensagem, Cunha digitou: “Vou pôr uma emenda para vc assinar que é do veto da 561”. Motta respondeu: “Ok, aguardo. Abs!!!”. Em outra ocasião, uma assessora de Cunha chamada Claudia Medeiros enviou ao chefe um e-mail com uma minuta de requerimento e o questiona sobre a possibilidade de envio ao deputado Hugo Motta para assinatura. A mensagem foi em agosto de 2012. “Posso mandar para o Hugo Motta assinar?????”, diz a mensagem.

O requerimento era para o Ministério de Minas e Energia enviar informações sobre a parceria da Petrobras Bio Combustível com a Açúcar Guarani SA e o Grupo Tereos. Para a PF, o requerimento foi apenas enviado para Hugo Motta assinar. Motta informou que não se lembrava especificamente do assunto, mas que era comum conversar com os colegas sobre atividade parlamentar.


CIDADE FM com Suetoni Souto Maior - Jornal da Paraíba

Voltar

Início      A rádio      Programação     Equipe   Curiosidades  

Tá na cidade, tá bom demais!